Pela primeira vez nos 50 anos de história do Fórum Econômico Mundial, não há neve em Davos, a aldeia montanhosa suíça que tradicionalmente tem sido o cenário para este encontro de líderes mundiais, CEOs, cientistas e jornalistas. A pandemia de coronavírus impediu o WEF de sediar a tradicional reunião presencial em janeiro nos últimos dois anos. Mas agora que as restrições foram levantadas e é possível realizar o encontro novamente, os hóspedes estão se reunindo aqui em maio.

O fundador e presidente do fórum, Klaus Schwab, agora com 84 anos, recebeu seus convidados para “a reunião mais urgente deste fórum desde sua fundação”. "O fato de quase 2.500 líderes de todo o mundo se reunirem pessoalmente demonstra a necessidade de uma plataforma global confiável, informal e orientada para a ação para enfrentar os problemas em um mundo impulsionado pela crise", explica Schwab.

Ponto de inflexão

O ponto central da agenda de Davos deste ano é a guerra na Ucrânia e as implicações políticas e econômicas para o mundo. Nesse contexto, o tema da conferência é urgente: 'História em um ponto de virada: políticas governamentais e estratégias de negócios'.

O fato de que a história chegou a um ponto de inflexão é confirmado nos noticiários a cada dia. No curto prazo, há um grande desafio: a guerra e os mercados fechados da Rússia e da Ucrânia ameaçam uma grande crise alimentar. Há também impactos de longo prazo, já que alimentos e energia precisam ser produzidos de forma sustentável e acessível. Com muitos países percebendo o quanto podem ser dependentes de um número limitado de países e mercados para seus alimentos e energia, a guerra pode acelerar esse processo.

Business as unusual

"As condições políticas, econômicas e sociais de nossa reunião são absolutamente sem precedentes", explicou Schwab. Isso levou muitos visitantes a afirmarem que o conceito de "business as usual" é uma coisa do passado. Em todo o mundo e, portanto, em Davos este ano, é: 'Business as unusual'.

O Rabobank também percebe esse movimento e, por isso, participa do evento em Davos com os membros do Conselho de Administração, Wiebe Draijer e Berry Marttin. Nestes tempos incertos, o Rabobank reforça seu papel como o 'banco de transição': que ajuda seus clientes para uma nova era de grandes transições globais, que envolvem energia, clima, alimentos e uma sociedade ainda mais inclusiva. “Nossa participação está alinhada com a nossa missão de ‘Cultivar um mundo melhor juntos’. Como um banco socialmente orientado, queremos ajudar nossos clientes em sua jornada para um mundo mais sustentável. E é aqui, em Davos, que podemos tomar ações muito direcionadas”, explica Wiebe Draijer.

Carbon Bank

Para ilustrar isso, Wiebe Draijer aponta que há mais de dois anos em Davos, o Rabobank lançou as bases para o que agora é uma nova parte do banco que está crescendo rapidamente em status: o Carbon Bank. "E o Projeto Acorn é uma parte maravilhosa disso", diz ele, referindo-se ao programa que facilita o armazenamento de CO2 em larga escala para pequenos agricultores na África, Ásia e América Latina. Dessa forma, o projeto contribui para criar novos modelos de receita para os agricultores.

Berry Marttin acrescenta: “O Acorn nos permite conectar dois valores universais: dinheiro e CO2. Estamos ajudando o agricultor a melhorar a qualidade do solo, focada na agricultura florestal e usando novas plantas cultivadas, como castanha de caju e manga, para extrair e armazenar CO2 do ar com eficiência. Uma vez que o dióxido de carbono é armazenado, você pode cobrar uma quantia em dinheiro por unidade de remoção de carbono armazenada e esse valor é negociável no mercado internacional. Dessa forma, podemos conectar empresas que buscam compensar sua pegada, por exemplo."

Além disso, o modelo de receita do agricultor não termina com a venda dos créditos de carbono. Uma vez que as árvores estão maduras, elas são capazes de armazenar menos CO2, mas ainda produzem frutos, que por sua vez podem ser comercializados pelo agricultor. Isso cria um modelo de receita para o agricultor ao longo do ciclo de vida de cada árvore.

Foco em três temas

Em Davos, onde dezenas de reuniões serão realizadas ao longo de três dias, desde reuniões de café da manhã de trabalho até conversas após o jantar, Draijer e Marttin se concentrarão nos problemas enfrentados pelo banco e em como podemos fazer a diferença. Além da guerra e de todas as suas implicações globais, o Rabobank se concentrará em três temas nos próximos dias: saúde do solo, valor real dos alimentos e financiamento de impacto. Esses tópicos se alinham tanto com o banco quanto com o fórum. Semelhante ao último fórum em 2020, o objetivo é ter ações concretas nessas áreas.